Câmara de Natal discute implantação do Plano Municipal do Livro, Leitura e Bibliotecas

A Câmara Municipal de Natal de Natal, por meio da Frente Parlamentar da Frente Municipal em Defesa do Livro e Leitura, fez um debate para avaliar a implantação do Plano Municipal da área, que está em vigor desde dezembro do ano passado.

A vereadora Eleika Bezerra (PSL), coordenadora da Frente, avaliou positivamente a reunião da frente exatamente por ela acontecer meses após a implantação do Plano. Ela adiantou que a Frente criou um grupo de trabalho para garantir exatamente a colocação em prática.

“A Frente estava um pouco adormecida, mas agora voltamos com tudo. Foi um momento para retomarmos para acompanhar o Plano Municipal para que ele seja realmente executado, para que não seja mais um plano que fica apenas no papel. Para isso, vamos ficar vigilantes”, avisou.

  

O consultor Aluísio Azevedo, integrante do grupo de trabalho que elaborou o Plano e integrante da Fundação Capitania das Artes (Funcart), trabalhou 60 dias nos processos de escrita e de revisão do projeto. Ele avaliou positivamente o encontro, porque permitiu o debate sobre a Comissão Municipal de Leitura e do Livro, que é o órgão que vai fiscalizar a aplicação da lei.

“O importante de hoje foi que demos o passo inicial para o plano que foi a sua institucionalização, ou seja, criar os organismos que vão fazer essa gestão do Plano e o principal deles é o Conselho Municipal da Leitura e do Livro. Hoje, fizemos a divulgação do início dos trabalhos. Toda a iniciativa vai ser da Funcart”, explicou ao lembrar que o Conselho será composto de cinco representantes da Prefeitura e cinco representantes da população.

A diretora do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), Evânia Oliveira, lembrou que mais de 50% da rede municipal e estadual já possui bibliotecas, mas reforçou que ainda é necessário avançar tanto na quantidade, quanto na qualidade, com o Plano já em vigor.

  

“Ainda não está ideal, mas é melhor que ontem. Precisamos avançar. O IDE está lançando a rede de bibliotecas potiguares, que é uma plataforma que vai reunir todas as bibliotecas do Rio Grande do Norte para podermos fortalecer as políticas públicas dessas bibliotecas. Mais de 50% da rede municipal e estadual tem bibliotecas, mas temos certeza de que vamos avançar, a partir de agora, ainda mais”, disse.

 

Leave a Comment

10 + treze =