Categoria: SAÚDE EM FOCO

Reumatologista alerta para fase crônica da Chikungunya

Identificado pela primeira vez no ano de 1952, a chikungunya se alastrou pela Índia, Indonésia, Tailândia, chegou a ter epidemias até na Europa, no norte da Itália, e agora gera muitos casos no território brasileiro. No entanto, muitos mitos ficam em torno desta doença.

Apenas secar os reservatórios de água parada não soluciona o problema, como muitos acham. Outro ponto é que o mosquito da chikungunya pica apenas durante o dia, porém sem zumbido. Algumas receitas também são feitas e divulgadas como ‘milagrosas’.  Um exemplo é o inhame e o complexo B, que não possuem interferência no tratamento.

Um grande problema que vem atingindo quem já contraiu a doença é a demora em procurar um especialista. O reumatologista Dr. Adolpho Medeiros, que já atendeu centenas de pacientes com sintomas da chikungunya, chamou atenção para a cronificação da doença.

DSC_4554

“Após três meses pode se desenvolver sequelas articulares para o resto da vida. Então é importante consultar um reumato”, afirmando também que existem tratamentos diferentes para cada fase da doença.

“Tem alguns pacientes que dizem que não sabem nada da doença e que não existe tratamento, mas isso não é verdade. Muitos falam que corticoide é apenas o único tratamento, mas existem outros, dependendo da fase que o paciente esteja”, falou.

Rotary Mossoró realizará campanha com testes gratuitos de Hepatite

Os clubes Rotary de todo o Brasil em trabalho conjunto com a Associação Brasileira dos Portadores Hepatite (ABPH), ao longo dessa semana, realizam mutirões que incentivam o diagnóstico da Hepatite C. Em Mossoró, o Rotary Club da cidade é responsável pela campanha contra doença, e conta com o apoio da Associação de Apoio aos Portadores de Câncer (AAPCMR).

No dia 30 de julho de 2016, sábado, na Praça da Independência (Praça do Mercado Central), serão realizados 300 testes gratuitos, das 08h30 às 11h30h. Segundo a Organização Mundial de Saúde, as hepatites virais estão entre os maiores problemas mundiais de saúde e matam duas vezes mais do que a AIDS.

Para especialistas, é importante detectar se o paciente está infectado com Hepatite C, porque é uma doença que praticamente não apresenta sintomas no início. Então se o diagnóstico é precoce, se consegue fazer um tratamento e evitar complicações mais sérias no paciente. Estima-se que milhões de pessoas são portadoras desse vírus, muitas ainda nem descobriram.

13874682_10205367524627773_1392219840_n

Cafeína tem efeito benéfico no tratamento de enxaqueca e diminui risco de doenças neurológicas

A cafeína atua no cérebro como um potente inibidor das ações de uma substância chamada adenosina que se acumula no cérebro quando ficamos sem dormir. Daí vem o efeito do café de aumentar nosso estado de alerta e “tirar o sono”.

Os estudos mostram que a ingestão diária de 300-400 mg de cafeína (cerca de 4-5 xícaras de café) pode ter efeitos positivos: aumenta a agilidade e concentração, bem-estar, relaxamento, bom humor e melhora a memória. No entanto, altas doses de cafeína (400-800 mg) pode ter efeitos negativos: ansiedade, nervosismo, agitação, insônia, taquicardia e tremores.

Já nos estados de doença do cérebro a cafeína pode aumentar o efeito benéfico de alguns analgésicos usados para o tratamento da enxaqueca além de diminuir o risco de doença de Alzheimer, AVC e doença de Parkinson. “Em contrapartida, principalmente em altas doses, pode aumentar a ansiedade, levar a insônia e aumentar a chance de crise convulsiva em pessoas já portadoras de epilepsia”, alertou o Neurologista Alex Soares.

76a057b7-346d-44e2-b38f-0f2c7d72705b
Foto: Ramon Nobre

Finalmente, apesar das controvérsias, o estudo publicado na revista britânica Practical Neurology afirma que, por não agir diretamente sobre a transmissão dopaminérgica, a cafeína não leva a dependência.

SAIBA MAIS

O café é a segunda bebida mais consumida em todo o mundo, perdendo o primeiro lugar apenas para a água. É o que afirma estudo recente publicado na conceituada revista britânica Practical Neurology que trata dos efeitos da cafeína no cérebro saudável e quando acometido por doença neurológica.

A composição do seu “cafezinho de todos os dias” é bastante complexa podendo conter mais de 1000 substâncias diferentes, muitas das quais ainda não foram identificadas. Mas, seu principal componente é a cafeína também encontrada em algumas outras fontes (chá, refrigerantes, bebidas energéticas, chocolate quente, mate, guaraná e alguns analgésicos). Portanto, se você gosta de um bom café aprecie com segurança.

Neurologista Alex Soares alerta população para reconhecer sintomas de Acidente Vascular Cerebral

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) também chamado de Acidente Vascular Encefálico (AVE) é a segunda doença que mais faz vítimas no Brasil, e também é a causa mais frequente de sequelas em todo o mundo. O AVC acontece quando há uma obstrução  ou rompimento dos vasos que levam o sangue ao cérebro, provocando a morte da área cerebral, que acabou ficando sem receber sangue adequadamente.

Existem dois tipos de AVC, o isquêmico, quando ocorre a obstrução (“entupimento”) dos vasos que levam o sangue ao cérebro, e o hemorrágico, com o rompimento do vaso provocando sangramento no cérebro. Membro Titular da Academia Brasileira de Neurologia, o médico Alex Soares afirmou que é importante a população reconhecer os sinais e sintomas que podem significar um AVC.

avc-not1266

“É muito importante a população conseguir reconhecer os sinais que podem significar que alguém que está ao seu lado, pode estar tendo um acidente vascular cerebral, também chamado de AVE, ou ainda o que muitas pessoas entendem como derrame ou trombose. Os sintomas são alteração da fala (“voz embolada” ) ou até mesmo ficar sem conseguir falar. Um dos lados do corpo  pode ficar dormente ou fraco. A boca pode ficar torta… Um outro sintoma, porém, menos comum é a tontura”, esclareceu.

O tratamento da pessoa que foi vitimada por um AVC depende sempre da causa.  Na fase de recuperação é necessário que o paciente seja tratado por profissionais da saúde, incluindo fisioterapeutas, médicos, psicólogos e outros profissionais. O acidente vascular cerebral de menor intensidade pode não deixar sequelas, no entanto, se for mais grave, tem chances de levar até mesmo a morte.

“Se você estiver ao lado de uma pessoa que subitamente apareceu com esses sintomas ligue para o SAMU 192 imediatamente para que a pessoa possa ser transportada para hospital mais próximo que esteja capacitado para atender este paciente. Quanto mais rápido o atendimento, menor a chance de sequelas graves ou até mesmo de morte. O AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil e é a causa mais frequente de sequelas em todo o mundo”, ressaltou Alex.

Alguns fatores de risco podem contribuir para o AVC, como hipertensão arterial, diabetes, doenças cardíacas, enxaqueca, ingestão de bebidas alcoólicas, obesidade e a falta de atividades físicas. “Fazer alguma atividade física e seguir uma dieta alimentar adequada podem evitar um AVC. No caso de quem já teve um AVC, deve manter um acompanhamento médico periódico para que não volte a ter”, finalizou Alex.

Como ensinar seu filho a gostar de vegetais?

Muitas evidências científicas apontam os benefícios dos vegetais na saúde, em todas as fases da vida. Ricos em vitaminas, minerais e diversos compostos bioativos, esses alimentos – quando consumidos de forma adequada – podem prevenir deficiências nutricionais, que levam a desequilíbrios orgânicos que afetam a nossa qualidade de vida.

Entretanto, nota-se a falta de incentivo no consumo destes alimentos, que, muitas vezes, são substituídos de forma errônea, gerando prejuízos – alguns graves – à saúde.

Para melhorar este perfil, alguns estudos apontam a necessidade de incentivo deste consumo na fase infantil, em que a criança está se adaptando aos novos hábitos alimentares. Porém, a dificuldade de formar este hábito acaba desencorajando os educadores, que preferem oferecer algo no lugar das verduras e legumes, na tentativa de facilitar o momento das refeições .

images (16)

Assim, muitos pais e educadores que lidam constantemente com este problema questionam métodos para reverter este quadro. Um estudo realizado em países europeus sugere que os vegetais devem ser apresentados no início do desmame, para que este novo hábito tenha efeito em longo prazo.

Para verificar esta suposição, os autores recrutaram mães e filhos prestes a iniciar a fase de desmame. Como metodologia, as mães foram orientadas a introduzir cinco vegetais diferentes – 1 por dia – no início do desmame. Estes vegetais foram repetidos ao longo de 15 dia e, após 1 mês, os autores identificaram melhor aceitação dos alimentos apresentados neste momento.

Desta forma, a introdução de verduras e legumes no início do desmame pode ser uma estratégia interessante para estabelecer um hábito alimentar saudável ao longo da vida.

images (14)

Projeto Consultório na Rua amplia atendimento a moradores de rua em Mossoró

Com objetivo de levar atendimento de saúde a pessoas em situação de vulnerabilidade, a Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza à população o Consultório na Rua. O serviço, implantado no ano passado, já possui mais de 100 pacientes cadastrados e realiza uma série de atendimentos a pessoas em situação de rua.

Nesta quinta-feira, 5, os pacientes realizaram exames de Tuberculose e receberam instruções de prevenção e combate à doença. O prefeito Francisco José Júnior e a secretária de Saúde, Leodise Cruz, visitaram o serviço. “O município não esperou que os moradores de rua se deslocassem até uma unidade, mas fez com que os profissionais fossem até à população de rua e oferecesse serviços de saúde, ampliando e humanizando o atendimento”, afirmou o prefeito.

26842304275_28c2c943a8_z

Por meio de uma equipe de saúde multiprofissional, formada por agentes sociais, assistente social, psicóloga, enfermeiro e técnico de enfermagem, o serviço realiza atendimentos três vezes por semana, sempre no período noturno e em locais onde há maior concentração de moradores de rua, geralmente em praças públicas.

Durantes os encontros, são realizados procedimentos de enfermagem, como curativos, além de confecção de cartão SUS, orientações à saúde, cortes gratuitos de cabelo e trabalhos na área da assistência social. “Alguns casos, a depender da sua complexidade, são encaminhados a unidades de saúde. É um programa, que faz parte do ‘Crack, é Possível Vencer’, e que integra o processo de reestruturação da saúde mental, que o município tem realizado, visando humanizar e adequar o atendimento às portarias do Ministério da Saúde”, pontua a secretária Leodise Cruz.

 

Efeitos da Maçã e Tomate Verde na SARCOPENIA

A sarcopenia é um processo fisiológico que ocorre ao longo dos anos, marcado pela redução da função muscular, que leva à maior degradação proteica e redução da capacidade de força.

Esta condição é atrelada a algumas alterações celulares, evidentes no envelhecimento. O fator de transcrição ATF4 é um gatilho sugerido neste processo de atrofia muscular, sendo sua expressão gênica evidente no envelhecimento.

Alguns estudos sugerem que este fator de transcrição seja responsável por reduzir alguns sinalizadores de síntese proteica no meio intracelular que, por consequência, prejudica marcadores de força e hipertrofia.

Pesquisadores da Universidade de Iowa (EUA) identificaram dois compostos bioativos que podem reduzir a evolução da sarcopenia – o ácido ursólico e tomatidina, encontrados respectivamente na maçã e no tomate verde.  Ao administrarem estas substâncias, em ratos, os autores observaram redução na expressão gênica de ATF4, fato interessante para evitar perdas musculares que interferem nas capacidades físicas do idoso.

Embora o estudo tenha sido conduzido em modelo animal, vale ressaltar que estas substâncias podem ser obtidas por meio do consumo regular destes alimentos. Ainda, é importante considerar os outros compostos bioativos – além de vitaminas, minerais e fibras – encontrados nestes alimentos, que certamente irão colaborar com benefícios à saúde.

 

tomate

Microcefalia: casos confirmados chegam a 1.198, segundo ministério

Do G1, São Paulo;

O número de casos confirmados de microcefalia no Brasil chegou a 1.198. Ao todo, foram 7.228 notificações desde o início das investigações, em 22 de outubro, até 23 de abril. Segundo a pasta, 2.320 casos foram descartados e outros 3.710 casos ainda estão sendo investigados.

Os dados são do boletim divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (26). Dos casos confirmados de microcefalia, 194 tiveram teste positivo para o vírus da zika.

Estados
O estado com maior número de casos confirmados ainda é Pernambuco, com 334 casos, seguido da Bahia, com 221, Paraíba, com 112, e do Maranhão, com 99.

Desde 22 de outubro, houve 251 notificações de mortes por microcefalia ou outras alterações no sistema nervoso central durante a gestação ou após o parto. Deste total, 54 óbitos foram confirmados para microcefalia e alterações do sistema nervoso central, 30 foram descartados e 167 continuam sob investigação.

Zika: mais de 91 mil casos em 2016
O vírus da zika já circula em todas as unidades da federação, segundo o Ministério da Saúde. Nesta terça-feira, a pasta divulgou, pela primeira vez, o número de casos prováveis de zika no país. Foram 91.387 notificações da doença neste ano, até 2 de abril, o que corresponde a uma taxa de incidência de 44,7 casos por 100 mil habitantes. Do total, 31.616 foram confirmados.

Até o momento, o Ministério da Saúde só divulgava em seus boletins quantos estados tinham tido notificações de zika e o número de casos de microcefalia provavelmente relacionados ao vírus, mas não o número de casos da doença no país, por isso esse dado é inédito.

Do total de notificações, 7.584 foram em gestantes, dos quais 2.844 foram confirmados por critérios clínico-epidemiológicos ou laboratoriais.

A região centro-oeste teve a maior taxa de incidência: 113,4 casos por 100 mil habitantes.

O estado com maior número de casos prováveis de zika é o Rio de Janeiro, com 25.930 notificações, seguido por Bahia (25.061), Mato Grosso (16.055) e Minas Gerais (6.693). São Paulo teve 1.500 notificações.

Houve três mortes por zika confirmadas laboratorialmente: uma em São Luís (MA), uma em Benevides (PA) e uma em Serrinha (RN).

 

RN já soma três mortes por H1N1, confirma Sesap

Dados foram divulgados na ultima quarta-feira (20).
Outros três casos confirmados da doença evoluíram para a cura.

Do G1 RN

A Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige) da Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) divulgou na manhã desta quarta-feira (20) um boletim atualizado com dados sobre a situação epidemiológica da gripe H1N1 no Rio Grande do Norte. Segundo a Sesap, seis casos da doença já foram confirmados este ano no estado. Destes, três pacientes foram curados e três morreram.

Também de acordo com a Sesap, até o dia 16 de abril (referente à semana epidemiológica nº 15) foram notificados 69 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo que um foi confirmado para a Influenza A H3N2, 47 estão em investigação e 15 foram descartados para Influenza e para vírus respiratórios.

Dentre os 69 casos notificados para SRAG, 17 evoluíram para o óbito.

A Sesap explica que a confirmação dos casos se dá por isolamento viral a partir de amostra de secreção nasofaríngea. No caso do Rio Grande do Norte, estas amostras são processadas pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém.

A Influenza A (H1N1) é uma doença respiratória aguda (gripe), transmitida de pessoa a pessoa principalmente por meio da fala, tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Secretaria de Saúde antecipa vacinação contra H1N1 no RN

Campanha acontece entre os dias 25 de abril e 20 de maio.
Ao todo, 776.019 pessoas devem ser vacinadas no estado.

Do G1 RN

A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte (Sesap) antecipou para o dia 25 de abril o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (H1N1). Durante a campanha, serão imunizados grupos prioritários. A campanha segue até o dia 20 de maio.

Devem ser imunizados idosos, crianças de 6 meses até 5 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias pós-parto), trabalhadores da área da saúde, povos indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições especiais, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional e adolescentes e jovens sob medida socioeducativas (12 a 21 anos).

Na última sexta-feira (14), o Programa Nacional de Imunizações (PNI) realizou o repasse de parte das doses destinadas ao RN. A população a ser vacinada no estado é de 776.019 mil pessoas, de acordo com dados do Programa Estadual de Imunizações da Sesap.